Nova estrutura tarifária da Casan prevê que consumidor pague somente pela água utilizada

Agência reguladora diz que está em estudo um novo modelo de cobrança.

Durante a reunião das comissões, da Câmara Municipal de Canoinhas, da última terça-feira (2), os vereadores contaram com a presença do Diretor Geral da Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento (ARIS), Adir Faccio, com o objetivo de esclarecer dúvidas pertinentes, com base nos requerimentos já apresentados à Agência.

Foi uma reunião extremamente importante para que possamos discutir as pautas referentes a água e esgoto em nosso município, principalmente as dúvidas sobre taxas tarifárias —afirmou Célio Galeski.

Um novo modelo de cobrança está sendo estudado pela a Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina (ARESC), que visa beneficiar usuários que consomem água de forma racional.

Hoje a tarifa mínima é de R$ 46,28. A cada m³ utilizado a mais na tarifa é cobrado mais R$ 4,62 por metragem. 
O modelo de cobrança é igualitário para quem consome até 10m³. Independente se o usuário consumiu 3 ou 10 m³, o consumidor paga o 100% da tarifa.

—Esse valor tem que ser discutido temos que reduzir essa cobrança — a
lertou o presidente da Câmara.

Coronel Mário também comentou sobre resposta recebida da diretora presidente da Casan, Roberta Maas dos Anjos.

Em requerimento, foi questionado quantos usuários consomem a baixo de 10m³ de água, mas pagam a tarifa inteira. Em resposta, a diretora informou aos vereadores que em Canoinhas existem cerca de 15.084 unidades consumidoras que pagam a tarifa básica, sendo que 7.848 consomem abaixo dos 10 m³.

O vereador apontou alguns municípios que já estudam essa redução de taxa tarifaria, e de acordo co Erzinger,  a própria diretora da Casan destacou que existe um estudo para extinção dessa estrutura de pagamento mínimo no Estado.

Total
0
Shares