Polícia Ambiental flagra serraria móvel e destruição de mata nativa em Porto União

Responsável pela propriedade fugiu ao avistar a Polícia Militar Ambiental. Foto: PMA Porto União

Na quarta-feira (8), uma guarnição da Polícia Militar Ambiental de Porto União, durante Patrulhamento Rural, flagrou atividade potencialmente poluidora (serraria móvel) a qual encontrava-se em pleno funcionamento, além de deparar-se com a destruição de uma área de 1,2 hectares de mata nativa.

Na área do desmatamento havia uma pilha de tábuas de Pinheiro Araucária, considerado em risco de extinção e uma serraria móvel artesanal instalada, gerida por meio de um motor estacionário a diesel, além de uma motosserra de marca Stihl.

Ao tentar contato com o proprietário da residência descobriu-se que na casa encontravam-se escondidas mulheres e crianças, que relataram ter o proprietário fugido ao avistar  a Polícia Militar Ambiental aproximar-se, pois tinha ciência do caráter ilícito da sua atividade.

Com base na legislação ambiental vigente e nos fatos constatados foram apreendidas: duas toras de Pinheiro Araucária (uma com 0,33 m³ e outra com 0,24 m³), (80) oitenta tábuas de Pinheiro Araucária, totalizando 1,27 m³, (01) um trator sobre rodas marca Valmet modelo 85, uma motosserra marca Stihl e uma serraria móvel de fabricação artesanal.

A supressão de vegetação nativa oriunda de áreas de Mata Atlântica é crime ambiental com pena de detenção de 1 (um) a 3 (três) anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente e Infração Administrativa Ambiental,  que prevê, além de interdição da área e sua total recuperação, multa de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) por hectare destruído.

Total
0
Shares