Casal é suspeito de comprar recém-nascido no norte catarinense

Reprodução

Um casal foi preso suspeito de adotar ilegalmente um bebê. A Polícia Civil suspeita que a criança possa ter sido comprada. A prisão ocorreu na quinta-feira (19) e até o início da tarde desta sexta (20) a mãe biológica não tinha sido ouvida pela polícia.

A suspeita é que este casal tenha acompanhado a gestação da mulher, que é de Curitiba (PR). Após o parto realizado em São Bento do Sul, no Norte catarinense, a bebê foi levada para a residência do casal, em Rodeio, no Vale do Itajaí.

Com a prisão do homem e da mulher de aproximadamente 30 anos, a menina de 46 dias de vida foi encaminhada temporariamente para a casa de uma família acolhedora.

Possível compra da criança

Segundo a Polícia Civil, esse casal teria pago as despesas médicas da gestante, que colocou o recém-nascido à disposição deles. É possível que tenha havido pagamento em troca da criança, de acordo com o delegado que investiga o caso, Ronnie Esteves.

\”Existe essa suspeita de compra da criança, mas é muito difícil você demonstrar que a adotante pagou pela criança, a não ser que haja uma confissão, e foi negado. Agora a gente precisa ouvir a mãe biológica para entender como essa criança veio parar em Santa Catarina com esse casal\”, disse o delegado ao G1.

Na residência do casal preso, a polícia encontrou objetos e móveis como berço, brinquedos, fotos com a criança e lembrancinhas para um possível chá de bebê. Perguntado se a mulher fingia estar grávida, o delegado respondeu que essa situação está sendo apurada.

Os dois tinham a intenção de registrar a menina como filha biológica, conforme a investigação.

Esse tipo de adoção é considerado crime e pode resultar em até seis anos de prisão. Para adotar uma criança é necessário estar no Cadastro Nacional de Adoção e aguardar na fila.

A Polícia Civil apura também se eles teriam tentado adotar de forma ilegal outra criança.