Justiça manda indenizar homem exposto nu por órgãos de imprensa

Homem estava em tratamento médico, saiu pelas ruas nu e escalou um monumento na cidade. Foto: Divulgação

Três veículos de comunicação da cidade de Criciúma, no sul catarinense, foram condenados a indenizar um homem por veicularem imagens dele nu, durante um surto psicótico, sem autorização e sem utilização de tarjas para preservar sua genitália.

O fato aconteceu em 2015, quando o homem, mesmo sob tratamento médico, teve um surto, saiu pelas ruas da cidade sem vestimentas e subiu no Monumento à Anistia, localizado ao lado do Terminal Rodoviário.

Segundo o relator, restou claro que não se trata de fotografia de pessoa que, conscientemente, se apresentou nu em público, mas sim de alguém comprovadamente doente, acometida de um surto psicótico, que acabou por ter sua imagem exposta sem os devidos cuidados para cobrir suas partes íntimas com \’tarja preta\’. 

As matérias publicadas pelos três órgãos de imprensa, além de possuírem fotos do homem sem tarjas que resguardassem a nudez, não destacaram que se tratava de pessoa acometida de surto psicótico. 
Uma delas, inclusive, teria afirmado que se tratava de um protesto, o que, como anotou o relator, \”não condiz com a verdade, tratando-se portanto de notícia fantasiosa\”.

A decisão pontua também que não se trata de cerceamento aos direitos à informação ou à liberdade de expressão, mas sim de \”reconhecimento da ilicitude na falta de zelo e excesso aos limites no exercício do direito de manifestação e informação, visto que a divulgação de fotos do autor despido sem autorização e sem tarjas para resguardar a intimidade revela ofensa à imagem\”.

O três veículos foram condenados a indenizar o autor da ação por danos morais. Cada órgão desembolsará R$ 5 mil, acrescido de juros a contar da data da publicação da notícia, e correção monetária. 

Veículos de comunicação expuseram sua imagem exposta sem os devidos cuidados para cobrir suas partes íntimas com \’tarja preta\’.