Alerta! Irineópolis confirma o 1º caso da variante de Manaus no município

Cepa do vírus tem 17 mutações que permitem que ela escape dos anticorpos e infecte o corpo humano com mais facilidade.

O prefeito de Irineópolis, Lademir Arcari, e a secretária de saúde Giseli Kempinski, informaram na manhã deste sábado (5), sobre uma notificação recebida via e-mail pela Regional de Saúde, do primeiro caso da variante de Manaus (P.1) do coronavírus, que foi detectado em um paciente do município. (Vídeo abaixo)

Segundo informado por Arcari, a transmissão foi comunitária, isto é, o paciente foi infectado dentro do município, visto que relatou não ter histórico de viagem onde pudesse ter sido contaminado.

A variante de Manaus (P.1) do coronavírus é de 1,7 a 2,4 vezes mais transmissível do que as outras linhagens do vírus, diz estudo publicado na revista Science  em abril deste ano.

Entre as 17 mutações identificadas pelos pesquisadores, 3 estão relacionadas com a maior capacidade do vírus de contaminar células humanas.

“Isso é muito grave porque o vírus é de alta transmissão”, alertou a secretária.”Eu peço à população o uso de máscaras e o distanciamento. Só procure as Unidades de Saúde se apresentar sintomas gripais ou em casos de urgência/emergência. Consultas de rotinas não serão feitas, nós precisamos que vocês permaneçam em casa”.

De acordo com a Giseli, é preciso diminuir o número de casos e evitar a transmissão do vírus que é altamente contagioso.

O prefeito municipal finalizou fazendo um apelo à população: “Só tem uma forma de evitar o contágio, a propagação dessa variante, é evitando aglomeração, festinhas, ir aos bares […] Vamos manter distanciamento, se for sair utilize máscara e álcool em gel nos mercados e comércio em geral. É importante evitar o contágio, esse vírus é mais agressivo. Cuide-se”.

Segundo último boletim, Irineópolis tem 10 mortes em decorrência da covid e 74 pessoas estão com o vírus ativo. No total, 521 moradores já tiveram a doença e 437 estão recuperados.

TERCEIRA ONDA

O cientista Felipe Naveca, um dos descobridores da variante do coronavírus originada em Manaus alerta que ela continua a passar por mutações. Em entrevista na última quarta-feira (2), ele disse que “mudanças na P1 podem torná-la resistente ao ataque do sistema imunológico e, talvez, às vacinas”.

Felipe é vice-diretor de Pesquisa e Inovação do Instituto Leonidas e Maria Deane (Fiocruz/Amazônia) e um dos organizadores do estudo que analisou o genoma de vírus extraídos de 250 pessoas que tiveram o quadro grave de covid-19, no Amazonas. As amostras foram coletadas no período de março de 2020 a janeiro de 2021. A pesquisa foi publicada na revista científica Nature. Veja na íntegra (em inglês).

De acordo com ele, “o distanciamento social insuficiente” resultou no surgimento de variantes do coronavírus. Para Felipe, o risco de uma 3ª onda “é muito real” por causa da baixa vacinação, do pouco uso de máscara e da falta de distanciamento.

Assista ao vídeo publicado na rede social da Prefeitura Municipal de Irineópolis

O cientista Felipe Naveca, um dos descobridores da variante do coronavírus originada em Manaus e identificada como P1, alerta que ela continua a passar por mutações. Em entrevista ao jornal O Globo  nesta 4ª feira (2.jun.2021), ele disse que “mudanças na P1 podem torná-la resistente ao ataque do sistema imunológico e, talvez, às vacinas”.

Felipe é vice-diretor de Pesquisa e Inovação do Instituto Leonidas e Maria Deane (Fiocruz/Amazônia) e um dos organizadores do estudo que analisou o genoma de vírus extraídos de 250 pessoas que tiveram o quadro grave de covid-19, no Amazonas. As amostras foram coletadas no período de março de 2020 a janeiro de 2021. A pesquisa foi publicada na revista científica Nature. Eis a íntegra

Total
0
Shares