Trio é indiciado por homicídio de criança em loja de conveniência no Paraná

Avatar photo
A menina, de 10 anos, foi baleada na cabeça e morreu quatro dias depois, no hospital.

LEIA TAMBÉM

 — PUBLICIDADE —
Whatsapp Emecar Canoinhas

Três homens foram indiciados pela morte de Geovana dos Santos Wilczeski, menina de 10 anos que morreu dias após ser baleada na cabeça, em uma loja de conveniência de Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná. A criança teve a morte cerebral e a família autorizou a doação de órgãos.

De acordo com o delegado Luiz Gustavo Timossi, responsável pelo caso, as investigações terminaram nesta terça-feira (18) e o trio vai responder por homicídio triplamente qualificado, por motivo fútil, impossibilidade de defesa da vítima e por ser contra menor de quatorze anos.

Os três também responderão por sete tentativas de homicídio de outros adultos e crianças que estavam no local do crime. Dois dos indiciados estão presos e um está foragido (veja abaixo a foto do foragido).

O caso aconteceu em abril e foi filmado por câmeras de segurança. 

Geovana estava brincando em uma loja de conveniência quando dois homens passaram em uma moto atirando contra o local. O pai da menina estava em um churrasco em uma casa na frente do estabelecimento.

Geovana foi atingida na cabeça, passou a semana internada, e teve morte cerebral confirmada dias depois.

Segundo a Polícia Civil, o alvo dos disparos seria um homem que estava na conveniência e possui passagens pela polícia. Pouco antes dos disparos, houve uma discussão na loja e um homem, possivelmente um dos atiradores, foi expulso.

De acordo com o delegado, uma semana antes do ataque à conveniência um dos investigados já havia tentado matar o alvo dos disparos – e também havia crianças no local.

Douglas Daniel Ferreira Ribas, conhecido popularmente como “Duda”, está sendo procurado pela Polícia — Foto: Polícia Civil

Ainda de acordo com a Polícia Civil, Douglas Daniel Ferreira Ribas, conhecido popularmente como “Duda”, é procurado por ter sido identificado pela equipe de investigação como a pessoa que dirigia a moto usada durante o crime.