Quadrilha que planejou assalto em Santa Cecília era novata, conhecida como “novo cangaço”

Armamento encontrado no sítio, que seria utilizado no assalto a agência bancária em Santa Cecília. Foto: Polícia Militar/Divulgação

Uma ação policial “silenciosa” desarticulou uma quadrilha que planejava um roubo a banco na manhã de terça-feira (4), na região de Santa Cecília, no planalto serrano de Santa Catarina. O grupo estava sendo investigado há semanas.

Segundo o tenente coronel da Polícia Militar, Luciano Comiotto, a quadrilha se reuniu em um sítio para pegar o armamento, momentos antes de praticar o assalto, quando foi abordada por forças policiais.

Local de ponto de encontro da quadrilha. Foto: Reprodução/Divulgação
Em entrevista,  o Major Lucius Carvalho, subcomandante do BOPE relatou que “a informação preliminar é que o grupo, na modalidade que a polícia chama de “novo cangaço“, era novato. O planejamento deles era fazer corrente humana, escudo humano, jogar miglelitos, colocar fogo em veículos e aterrorizar a cidade”.

“Era a primeira vez, a princípio, que eles iriam cometer essa modalidade, entretanto eram criminosos experientes, membros de facção (PGC), tanto que é que conseguiram bastante armamento”.

Máscaras que seriam utilizadas durante ação da quadrilha. Foto: Reprodução/Divulgação
Ainda de acordo com o Major, “a quadrilha era acostumada a roubo de malotes e lotéricas, então já estavam acostumados a ataques a instituições financeiras”.

Na ação, seis foram presos, um conseguiu fugir e dois morreram em confronto com os policiais.

No final da tarde desta quarta-feira (5), o último alvo da operação, que estava escondido na mata, morreu após confronto com as forças policiais.
A identidade dos envolvidos não foi divulgada (provavelmente nem será)  mas segundo o coronel PM Luciano Comiotto, dois integrantes da quadrilha eram pai e filho, moradores de Santa Cecília.

Entre os nove envolvidos, a polícia identificou oito catarinenses e um gaúcho. Ainda não há informação se os suspeitos participaram de outros ataques no estado.
A operação apreendeu cinco armas longas, armas curtas, munições, dinheiro, máscaras de palhaço, explosivos, bloqueador de sinais e um veículo com registro de furto. 
Cerca de 100 policiais participaram da operação. Foto: Divulgação
A operação foi deflagrada em conjunto entre a Polícia Militar e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), e contou ainda com a participação do Batalhão de Operações Policias Especiais (BOPE) de SC, da Polícia Civil e de equipes do PPT de Canoinhas e Porto União.
Total
0
Shares