Morre o primeiro cão de busca do Corpo de Bombeiros certificado internacionalmente

O cão Brasil tinha 16 anos e estava aposentado de suas atividades desde 2015. Foto: Arquivo CBMSC

Na manhã desta sexta-feira (28),  o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) se despediu do primeiro cão de busca certificado internacionalmente para atuação.

O cão Brasil, conduzido pelo cabo Moisés Kluska, tinha 16 anos e estava aposentado da atividade desde 2015, vivendo na casa do condutor. O animal estava com câncer e faleceu de forma natural.

Além de ser o pioneiro na certificação, o binômio (dupla entre bombeiro militar e cão de busca)  formado pelo, na época, soldado Moisés e o cão Brasil, foi também integrante da primeira equipe de cães de busca do CBMSC. 

Na carreira, Moisés e Brasil somaram mais de 100 buscas, com destaque para a atuação no desastre climático de 2008, que aconteceu em Santa Catarina, em que foram localizadas 23 pessoas. Além da atividade assistida por cães, que foi realizada após a aposentadoria do Brasil.

O cão Brasil foi um marco para a atividade de busca e resgate com cães em Santa Catarina, e também nacionalmente, já que ele nos mostrou que era possível, em uma época em que havia uma grande rejeição às certificações — destaca o Presidente da Coordenadoria de Busca, Resgate e Salvamento com Cães do CBMSC, Tenente Coronel Walter Parizotto.

Brasil contribuiu muito mais do que com as buscas e com o marco na certificação, a genética do animal trouxe mais 3 gerações de cães do CBMSC. Iron é filho; Léia e Dante – filhotes em treinamento – são netos; Chewbacca, Zaara e Barney (falecido) são bisnetos.

Assessoria de Imprensa CBMSC

Total
0
Shares