Alerta! menina de 12 anos morre por gripe H3N2 em SC, diz Dive

O vírus influenza é uma doença infecciosa que pode evoluir para formas mais graves e até óbito.

Uma menina de 12 anos morreu de gripe A H3N2 em Santa Catarina. A garota morava em Brusque, no Vale do Itajaí, e não tinha comorbidades, informou a Diretoria de Vigilância Epidemiológica do estado (Dive) nesta quinta-feira (30). Outra morte por gripe A, de uma idosa de 96 anos, também foi confirmada.

O vírus influenza é uma doença infecciosa febril aguda com maior risco de complicações em alguns grupos vulneráveis. A doença pode evoluir para formas mais graves, como Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) e até óbito.

A Dive explicou que o laudo da amostra do caso da menina foi feito pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Santa Catarina (Lacen). A subtipagem é feita pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Dessa forma, foi confirmado que a paciente morreu de gripe A H3. A Dive considerou que o caso seja de H3N2 pelo perfil do país.

No caso da idosa, que morava em Joinville, no Norte do estado, não foi identificado o subtipo.

Até dezembro, Santa Catarina teve 55 casos de Influenza, sendo um de gripe A H1N1, dois de gripe B, 47 de gripe A H3 e cinco de gripe A com subtipo não identificado ou inconclusivo.

Importância da prevenção

O diretor da Dive, João Fuck, afirmou que a prevenção é uma das formas de a população ficar protegida. “A ventilação natural dos ambientes é uma das principais medidas de prevenção da gripe e de diversas outras doenças de transmissão respiratória, como Covid-19, resfriado, meningite, entre outras”.

Ele também citou a etiqueta da tosse, em que a pessoa deve cobrir a boca e o nariz com um lenço ou o antebraço quando for tossir ou espirrar.

Em relação ao tratamento, a Dive afirmou que não é preciso aguardar a confirmação do diagnóstico. O órgão destacou a importância da prescrição do fosfato de oseltamivir para todos os casos de síndrome gripal que tenham condições e fatores de risco para complicações, independentemente da situação vacinal, mesmo em atendimento ambulatorial. O medicamento está disponível em toda a rede do Sistema Único de Saúde (SUS).

Sobre a vacinação, a Dive informou que a cobertura vacinal alcançada foi de 67,5% do público-alvo na última campanha, que ocorreu de 14 de abril a 9 de julho. A meta era 90%.

Medidas de prevenção

  • Lavar frequentemente as mãos com água e sabão ou usar álcool em gel;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Cobrir o nariz e boca com o antebraço ao espirrar ou tossir;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Manter o uso da máscara, especialmente nos locais pouco ventilados ou em que não é possível manter o distanciamento social;
  • Manter os ambientes bem ventilados;
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe;
  • Evitar sair de casa em período de transmissão da doença;
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados (procurar manter os ambientes ventilados);
  • Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.