Entenda o impacto da estiagem no Planalto Norte e previsão para os próximos meses

Rio Canoinhas. Imagem: Arquivo

Conforme informações do último boletim hidro meteorológico disponibilizado pelo Governo do Estado, os meses de novembro e dezembro em Santa Catarina terão pouca precipitação de chuva.

A estiagem está atingindo muito a região Oeste, com chuvas bem abaixo da média durante os dois meses finais do ano, porém o Planalto Norte deve ficar atento e reforçar o uso racional do recurso.

Até o momento, o abastecimento de água pela Casan, nos municípios da região, ainda não foi impactado. 

“Graças à capacidade da maioria dos mananciais, não foram enfrentadas situações mais agravantes. Os rios, mesmo com redução de nível, estão mantendo a vazão necessária para o abastecimento urbano”, observa o Superintendente Regional Norte Vale do Itajaí da Casan, Rangel Barbosa.

No começo do ano, o município de Monte Castelo enfrentou situação mais delicada. O Rio Passa Quatro, afluente que abastece a região, perdeu a capacidade de suprir a demanda urbana. 

Na época, Casan e Prefeitura Municipal executaram a transposição de água do Rio Canoinhas para o Rio Passa Quatro, recuperando o fornecimento de água. 
Em Itaiópolis, a área urbana chegou a ser afetada pela estiagem no Rio São Lourenço, no primeiro quadrimestre de 2020.

A situação também é estável nas comunidades rurais. De acordo com o Sargento Bombeiro da Defesa Civil Regional de Canoinhas os Coordenadores municipais da Defesa Civil têm realizado o acompanhamento diário e semanal nas comunidades, para verificar possíveis situações de falta de água ou outros impactos na produção agrícola.

Desde de junho de 2019 o estado enfrenta a escassez, a qual chegou a dar sinais de trégua no primeiro semestre de 2020. Porém, com o aparecimento do fenômeno La Niña, novamente os níveis de precipitação caíram. 

Em outubro, segundo dados do boletim, grande parte das regiões de Santa Catarina ficaram vinte dias sem chuva, isso durante um mês onde historicamente os níveis pluviométricos são grandes. 
O documento também observou 160 municípios em estado de normalidade; 88 em situação de atenção; 23 em alerta e 10 em estado crítico.
EMERGÊNCIA: Linha Jataí, Blumenau, Chapadão do Lageado, São João Batista, São Martinho – Jusante, Porto FAE Novo, Barra do Chapecó Aux., Joaçaba I e Tangará;

ALERTA:
Encruzilhada II, Canoinhas – CASAN, Saltinho, Barragem Oeste, Barra do Prata, Ponte R. João Suzin Marini e Centro – Rua Vitório Celant.
Com a previsão de poucas chuvas para novembro e dezembro, é ainda mais importante o uso racional de água e práticas conscientes de economia no dia a dia. 
Torneiras gotejando possuem grande capacidade de desperdício de água. Uma torneira aberta gasta, em média, vinte litros durante cinco minutos. 
Além disso, um banho de quinze minutos consome 243 litros do recurso e o ato de lavar calçada com mangueira, por quinze minutos, gasta 279 litros. 

“Somando-se essas ações, a quantidade de água desperdiçada é grande. Por isso, é importante evitar banhos demorados, manter a torneira fechada ao fazer a barba ou escovar os dentes; antes de lavar pratos e panelas, limpar bem os restos de comida; usar vassoura e não mangueira para limpar a calçada e o quintal da casa e evitar lavar o carro, durante a estiagem”, indica o Sargento Bombeiro.

Para janeiro existe perspectiva de melhora e volta da regularidade. Entretanto, o primeiro mês do ano sempre possui chuvas acima da média em Santa Catarina. 

“Até lá, é necessário economizar e usar o recurso natural de forma racional, para que seja possível utilizar de maneira a não afetar as atividades produtivas, tanto na agricultura quanto em industrias e principalmente no abastecimento público das cidades”, finaliza Miranda.

Em outubro grande parte das regiões de Santa Catarina ficaram 20 dias sem chuva, isso durante um mês onde historicamente os níveis pluviométricos são grandes.  

Fonte: Assessoria de Comunicação APASC a serviço do Comitê Canoinhas e Afluentes do Rio Negro.