Médico e enfermeiras são os primeiros a receber vacina em Canoinhas

Avatar
Três profissionais da saúde receberam ao mesmo tempo as vacinas.Reprodução

O médico responsável pela Ala Covid do Hospital Santa Cruz, Dr. Nizomar Filho Costa de Souza, a enfermeira Regiane Polakoski, e a técnica de enfermagem Elizete Ribeiro foram os primeiros a receberem a vacina contra Covid-19 em Canoinhas.

A aplicação das vacinas foram feitas pelas técnicas de enfermagem Cintia Burgardt, Silvana Lechineski e Marinei Tobias.

O momento ímpar aconteceu na prefeitura municipal, no início da noite desta terça-feira (19). Todos são profissionais da saúde que trabalham na linha de frente, desde o início da pandemia.

Essa fase vai prioritária aos profissionais da saúde, de acordo com a secretária de saúde de Canoinhas, Katia Oliskowicz. 
Ainda não há previsão de quando serão distribuídas novas doses da vacina, já que a produção agora está a cargo do Instituto Butantan, em São Paulo, que não tem insumos para iniciar a produção em solo nacional. As primeiras doses vieram prontas da China.
Foto: Reprodução

A vacinação começou pelo grupo mais exposto ao vírus. Mas tem uma conta que não fecha.

O Brasil tem seis milhões de doses da CoronaVac importadas pelo estado de São Paulo, que já estão sendo distribuídas e aplicadas pelo país.

Só que a Rede de Pesquisa Solidária, que reúne mais de cem pesquisadores brasileiros, estima que o Brasil tenha, ao menos, cinco milhões de trabalhadores da saúde. Como a aplicação vacinação é em duas doses, seriam necessárias dez milhões de doses apenas para esses profissionais.

Pelo plano nacional de vacinação, o grupo prioritário é ainda maior. Além dos profissionais de saúde, a primeira fase da campanha inclui outras populações como povos indígenas e parte dos idosos.

Com vacinas insuficientes neste momento, pesquisadores afirmam que é preciso estabelecer prioridades dentro das prioridades.


REGISTRO OBRIGATÓRIO DOS VACINADOS

O registro da dose aplicada da vacina CoronaVac, do laboratório Sinovac/Butantan, será obrigatoriamente, nominal/individualizado.

Essa modalidade de registro garante o reconhecimento do cidadão vacinado pelo número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou do Cartão Nacional de Saúde (CNS), a fim de possibilitar o acompanhamento das pessoas vacinadas, evitar duplicidade de vacinação, e identificar/monitorar a investigação de possíveis eventos adversos pós-vacinação.
O formulário de registro contém as dez variáveis mínimas padronizadas, a saber: 
  • CNES – Estabelecimento de Saúde; 
  • CPF/CNS do vacinado; 
  • Data de nascimento; 
  • Nome da mãe;
  • Sexo; 
  • Grupo prioritário; 
  • Data da vacinação; 
  • Nome da Vacina/fabricante; 
  • Tipo de Dose e Lote/validade da vacina. 
A transferência dos dados de vacinação da Campanha Covid-19 deverá ocorrer em até 72 horas para base nacional de imunização, informou a SES – Secretaria do Estado da Saúde de Santa Catarina.
Total
0
Shares