No Paraguai, manifestantes protestam contra gestão da pandemia

Avatar
Nos protestos, a polícia fez disparos com balas de borracha e usou bombas de gás nos manifestantes ao redor do prédio do Congresso do país.

No Paraguai, manifestantes foram às ruas na sexta-feira (5), pedir a renúncia do presidente do país, acusado de fazer uma gestão desastrosa diante do colapso.

Durante os protestos, ao menos uma pessoa morreu, e 20 ficaram feridas. O país vacinou menos de 0,1% da população de pouco mais de 7 milhões de habitantes.

O presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, anunciou na noite deste sábado (6) a troca do ministro da Educação, Eduardo Petta, da ministra da Mulher, Nilda Romero, e do chefe de gabinete do governo, Ernesto Villamayor

A decisão foi transmitida em pronunciamento oficial pela televisão e ocorreu após manifestações contra as escolhas da gestão da pandemia no país.

Na noite de sexta-feira (5), o ministro da Saúde, Julio Mazzoleni, já havia renunciado pouco antes do protesto, que reuniu cerca de 5 mil pessoas, de acordo com o jornal local “ABC Color”.

O presidente do Paraguai nomeou Julio Borba como novo chefe da pasta e afirmou que começaria a buscar mais remédios imediatamente.

Benítez também disse, durante o pronunciamento, que poderá fazer novas mudanças nos ministérios do país no decorrer da próxima semana.

Em Cidade do Leste, praticamente todos os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e enfermaria estão ocupados.

Paraguaios e brasileiros que vivem no país vizinho estão cruzando a fronteira para tentar buscar atendimento em Foz do Iguaçu (PR), que também está com as UTIs lotadas.

As infecções por coronavírus no Paraguai atingiram níveis recorde. Os hospitais estão perto do colapso. Nos últimos sete dias, a taxa de infecção no Paraguai ficou em cerca de 115 pessoas por 100 mil habitantes.

Total
0
Shares