Cadáver de McAfee está há um ano em necrotério na Espanha

Criador de antivírus que leva seu nome, o empresário foi encontrado morto em uma prisão, em 2021.

O corpo do criador do antivírus McAfee continua no depósito do Instituto Médico Legal de Barcelona, na Espanha, um ano depois de sua morte na prisão, enquanto a Justiça espanhola decide se aceita o recurso da família para reabrir a investigação que determinou que ele havia se suicidado.

John McAfee foi levado para lá pouco depois da tarde de 23 de junho de 2021, quando foi encontrado em sua cela na prisão de Brians 2, a cerca de 40 quilômetros de Barcelona. Tudo apontava para um aparente suicídio, o que foi confirmado depois da única necropsia realizada até o momento.

Sua esposa, no entanto, nunca acreditou que McAfee, na época com 75 anos e que, horas antes de sua morte, teve sua extradição aos Estados Unidos autorizada pela Justiça espanhola, tivesse decidido tirar a própria vida. Assim, ela solicitou mais diligências, ao considerar a primeira necropsia “incompleta”.

Diante da recusa do juiz de instrução, e com o objetivo de reabrir a investigação, a família interpôs um recurso que ainda está pendente de resolução na Audiência Provincial de Barcelona.

“Hoje [23 de junho] faz um ano que John McAfee foi roubado de nós. Um líder da liberdade e da privacidade, o mundo é um lugar mais sombrio sem ele”, escreveu no Twitter Janice McAfee.

EMPRESÁRIO POLÊMICO

Acusado de fraude fiscal nos Estados Unidos, John McAfee fez fortuna ao lançar o primeiro software com o antivírus que leva seu nome, nas décadas de 1980 e 1990. Depois, se converteu em um guru das criptomoedas e era seguido por um milhão de usuários no Twitter.

McAfee foi detido em outubro de 2020 no aeroporto de Barcelona após a publicação, por um promotor americano, de uma ata de acusação contra si por omitir a declaração de milhões de dólares em receitas pela promoção de criptomoedas, por serviços de consultoria, conferências e a cessão de direitos para a realização de um documentário sobre sua vida.

As autoridades dos Estados Unidos haviam emitido uma ordem de captura através da Interpol e pedido sua extradição por crimes que, caso fosse condenado, poderiam lhe render uma pena de até 30 anos de prisão.

Horas antes de sua morte, a Justiça espanhola havia autorizado sua extradição, mas a mesma ainda poderia ser objeto de recurso e deveria contar com a aprovação do Executivo em Madri.

Esta não foi a primeira vez em que McAfee se envolvia em polêmicas. Após o misterioso assassinato de seu vizinho em Belize em 2012, um caso ainda sem solução, a polícia descobriu que McAfee vivia com uma adolescente de 17 anos e possuía armas em sua casa.

O empresário fugiu durante meses e foi detido nos Estados Unidos, em 2015, por dirigir sob o efeito de entorpecentes. Em 2019, voltou a deixar o país.


Leia também