Câmara questiona Beto Passos sobre supostas irregularidades em processo licitatório

Durante a sessão ordinária da última segunda-feira (9), toda a edilidade assinou ofício a ser encaminhado ao prefeito Beto Passos, solicitando informações sobre supostas irregularidades em processo licitatório para pavimentação de 12 ruas no município.

Tal ação ocorreu após uma matéria de opinião, divulgada na imprensa local, em que acusa os vereadores de terem se calado diante das irregularidades.
Sobre a matéria, o vereador Coronel Mario manisfestou-se em uma Rede Social, afirmando que \”Como Vereador, dentre as minhas atribuições, tenho procurado sempre levantar dados em busca da verdade real e não me basear em suposições

Via de regra por motivos diversos, muitas vezes alheias ao meu conhecimento, algumas pessoas tentam criar factoides políticos de maneira espúria, declarações fabricadas sem o mínimo lastro de provas, denunciam, investigam, julgam e condenam, não se importando com os desdobramentos destes atos\”.
Após discussão em plenário, os vereadores solicitam as seguintes informações:

-Qual foi o procedimento administrativo instaurado para apurar “em tese”, irregularidades na apresentação de documentos, relativos à Empresa de Pequeno Porte (EPP) por parte da empresa Progresso Ambiental, referente ao processo licitatório para pavimentação de ruas no Município de Canoinhas?

-Caso tenha sido instaurado processo administrativo, haverá atraso no cumprimento do cronograma para a realização das obras de pavimentação?
-Solicitamos encaminhamento da cópia do processo administrativo caso instaurado, após sua conclusão, para esta Casa de Leis.

Vereador Coronel Mário abriu a discussão após a leitura, dizendo que a imprensa local veiculou matéria com relação ao assunto por parte dos vereadores. A matéria informa que havia falhas no processo licitatório e em documentos da empresa vencedora do processo licitatório.

Dentre dos nossos papéis de fiscalização temos vários instrumentos para buscar as informações. “Nós não nos calamos e sim fomos atrás das informações, a empresa apresentou todos os documentos necessários, foi o que recebi de informações”, afirmou Erzinger.

Paulo Glinski  falou que \” a Câmara de Vereadores buscou informações desde do primeiro momento.  Lembrar que não há superfaturamento em obras, direcionamento de licitação. Nada disso temos\”. 

\”Processos licitatórios de pavimentação sempre foi e será uma guerra entre as empresas em qualquer município, elas buscam falhas nas outras empresas para derrubar as mesmas. São pessoas preparadas\’.
\”Os dez vereadores cobraram do executivo, nós não ficamos omissos. Não houve um fato grave. Quem veio representar a empresa tem que apresentar documentos com possibilidade de vencer, os documentos que tive acesso não tem nada de errado. Seja o Paulo que for nós iremos fiscalizar e não estamos aqui para passar a mão na cabeça de ninguém”, finalizou Glinski.
Quanto ao Paulo, citado nas discussões, trata-se de Paulo Machado, ex-secretário de Desenvolvimento Econômico do município, que também manifestou-se em Redes Sociais: \”essa nota dúbia e furada, publicada por um jornalista sem credibilidade que fez da perseguição pessoal contra mim a sua principal pauta. As opiniões dele não me preocupam, não é diferente da rede globo que com mentiras e ataques tenta criar pautas para ganhar audiência e visualizações em seu site\”, diz um trecho da postagem.

Vereador Wilmar Sudoski, encerrou a discussão dizendo que a comissão de licitações analisou e avalizou a empresa com base nos documentos apresentados. 

Total
0
Shares