Com dificuldades financeiras, Zé Trovão diz que precisa voltar o Brasil

Em novo vídeo, caminhoneiro diz que a classe não deve atacar o governo federal e sim os governadores.

Na última semana, a defesa do caminhoneiro Marcos Antonio Pereira Gomes, o Zé Trovão, apresentou novo pedido ao STF (Supremo Tribunal Federal) afirmando que ele pretende voltar ao Brasil e se apresentar “espontaneamente”, ficando ao dispor da Justiça.

A solicitação é para que um dos líderes dos movimentos do 7 de setembro responda em liberdade às denúncias contra ele, feita pelo ministro Alexandre de Moraes.

A peça da defesa afirma ainda que ele é pai de um filho recém-nascido, que depende “do trabalho e renda paterna para sua manutenção”. Segundo matéria da CNN Brasil, Zé Trovão também diz que tem passado por dificuldades financeiras. No México desde o fim de agosto, o caminhoneiro estaria com dificuldades para permanecer viajando.

O caminhoneiro é investigado em inquérito da Procuradoria-Geral da República (PGR) que apura ameaças à democracia. Ele está foragido há quase um mês. Seu último vídeo foi na sexta-feira (1º de outubro), em que faz referências ao aumento do diesel no Brasil e a uma nova manifestação:

“Tudo isso tá entristecendo demais a classe que mais precisa de combustível barato pra sobreviver” […]eu quero deixar um alerta aí pros caminhoneiros: vocês querem fazer um movimento que vai trazer resultado, não só pra categoria, mas pro povo brasileiro? Eu acho que tá na hora de fazer um movimento nos estados, em cima dos governadores. Não adianta parar os caminhões pra atacar o governo federal. Os irresponsáveis são os governadores. A parada dos caminhões tem que ser em frente ao palácio do Governador, em todos os estados, pra que a gente cobre o resultado imediato”, afirmou o caminhoneiro.

Em nenhum momento do vídeo Zé Trovão se referiu a sua situação atual, nem a possível/provável volta ao Brasil.