Mais de meia tonelada de carne imprópria é aprendida em SC

Animais como mulas e cavalos machucados, velhos ou acidentados, eram abatidos, a carrne era moída e vendida para consumo humano.

Cinco pessoas foram presas em flagrante na manhã de quinta-feira (16), sendo duas por tráfico de drogas e associação para o tráfico, uma por desacato e duas por crime contra o consumidor, e associação criminosa.

As prisões decorreram da operação Hefesto, deflagrada pela Polícia Civil de Santa Catarina.

Local onde a carne era manuseada é totalmente insalubre. Foto: PC/Divulgação

O nome Hefesto para a ação foi escolhido por se tratar do Deus mitológico grego do fogo, em referência aos tropeiros que conduziam gado pelo Sul do Brasil e paravam nos arredores do atual território de Morro da Fumaça, onde acendiam fogueiras em seus acampamentos em meio às neblinas frequentes na região.

Foram apreendidos cerca de 520 quilos de carne, supostamente de cavalo ou mula, maconha, cinco armas, diversas munições, cheques e dinheiro. Está sendo apurado ainda o uso indevido de caixas de um mercado encontradas no local.

A maior parte das buscas aconteceu no CTG Herança do Velho Pai, em Morro da Fumaça, município no sul catarinense.

A operação é resultado de duas investigações iniciadas em maio de 2021, que apuram crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, receptação, furto de gado, venda de carne de cavalos e mulas moídos (para consumo humano), posse e venda de armas, venda de produto veterinário falsificado e organização criminosa.

Segundo o delegado Ulisses Gabriel, os suspeitos compravam animais furtados por ladrões – gados, cavalos e mulas machucados, velhos ou acidentados – que eram abatidos. 

Carnes eram acondicionadas em caixas, sem qualquer higiene. Foto: PC/Divulgação

Depois de matar, nos fundos do CTG, eles tiravam a carne, moíam e vendiam como própria para consumo. O objetivo da investigação, agora, é encontrar o destino das mercadorias.

Participaram das buscas cerca de 60 policiais civis, com apoio do Núcleo de Operação com Cães (K9/NOC) da Polícia Militar, Serviço Aeropolicial (SAER) da Polícia Civil. Também deram apoio à operação a Cidasc, policiais militares e membros do Instituto Geral de Perícias (IGP).