bom_apetite_canoinhas

cursos

sementes_tabaco

Irmãos Passos já tem nova defesa constituída

Avatar photo
Defesa solicitou um prazo para analisar os autos dos processos, onde Beto Passos figura tanto como denunciado como testemunha.

LEIA TAMBÉM

Nesta segunda-feira (12), Gilberto dos Passos, e seu irmão Márcio Paulo dos Passos, assinaram procuração delegando poderes à nova advogada que vai representá-los no curso da operação Et Pater Filium. A Procuração já foi anexada aos autos do processo.

Fabíola Bubniak Costa, com escritório em Canoinhas, assume a defesa de ambos após os advogados Paulo e Luiz Alfredo Glinski informarem que renunciavam a defesa do ex-prefeito, e de seu irmão, na última semana. A decisão foi tomada em razão de inconsistências observadas nas declarações prestadas por Beto Passos ao ser interrogado pelo Ministério Público.

O Juiz de Direito da Comarca havia intimado os irmãos a constituírem novo(a) advogado(a) em até 10 dias, ou incorriam no risco de ser nomeado um defensor dativo, com atuação perante a Assistência Judiciária Gratuita, para representá-los.

Fabíola Bubniak terá um prazo para que a defesa possa analisar o conteúdo dos autos com cautela, e só então serão retomadas as audiências, que foram suspensas por conta do episódio. A troca de advogado é prevista na lei processual e não interfere na discussão que ocorre no processo.

O Juiz Eduardo Veiga Vidal já havia apontado sobre a necessidade de tempo para análise, visto que o acusado [Beto Passos], figura em inúmeros processos, seja na qualidade denunciado ou de testemunha. Além disso, a Justiça ainda irá analisar a situação processual do réu e se mantém ou não o seu acordo de Colaboração Premiada.

Há um Procedimento Administrativo, aberto pelo Ministério Público de Santa Catarina, para acompanhar as condicionantes do acordo de Colaboração Premiada firmado com Gilberto dos Passos. A nova defensora também deverá acompanhar a fiscalização no cumprimento deste.

Se, porventura, a Colaboração Premiada vier ser anulada, o ex-prefeito poderá perder os benefícios que conseguiu nos termos do acordo com o Ministério Público, entre eles o que garantia pena máxima de 16 anos na prisão, caso condenado nos processos.