Com a pior seca da última década, Governo reforça ações de enfrentamento à estiagem

Em Santa Catarina, 92 municípios já decretaram situação de emergência em função da estiagem. Os impactos no campo e na cidade são significativos.

Na área rural há queda de produção especialmente de leite. O custo de muitos produtores aumentou inclusive com transporte de água para os animais.

A queda já é de 30% na produção de batata e tomate; 20% na safra de soja, 10% na de milho e 7% na de feijão, pelos dados da Epagri.

Nas cidades, o nível dos rios que abastecem as regiões estão bem abaixo do normal e há municípios onde a população começou a sofrer a falta d´água.

Desde o dia 12 de maio, o Grupo de Ações Coordenadas (GRAC) está atuando com o suporte de toda a estrutura de Governo no enfrentamento da seca que traz prejuízos à população.

De acordo com o chefe da Defesa Civil Estadual (DCSC), João Batista Cordeiro Júnior, o objetivo da força-tarefa é proporcionar uma resposta rápida aos municípios, considerando o impacto significativo. 

A estiagem que está afetando todas as regiões catarinenses é a situação mais severa enfrentada nos últimos 14 anos, destaca.

Ele explica que, desde 2019, uma série de medidas vem sendo adotada para monitorar a evolução da estiagem e minimizar os danos. 

Com este foco, equipes da DCSC estão percorrendo os municípios e avaliando cada situação, garantindo que as melhores ações possam ser colocadas em prática. Em paralelo, o setor de hidrologia e monitoramento meteorológico da Defesa Civil fornece dados para o embasamento dos trabalhos.

Realizamos contato com o Governo Federal, que está aportando recursos destinados para o aluguel de caminhões pipas e itens de assistência humanitária, explicou o Chefe da DCSC. 

Ele reforça que os municípios estão sendo orientados em relação aos procedimentos para o acesso aos recursos através de planos de trabalho.

Em âmbito estadual, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e Sustentável (SDE) estuda viabilizar recursos aos municípios para a perfuração de poços, e a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural (SAR) trata do mesmo tema com foco nos produtores rurais.

Outro foco do Governo do Estado são as políticas de longo e médio prazos. João Batista ressalta que existem ações que não precisam de muitos recursos e representam grandes mudanças na sociedade e até mesmo uma mudança de cultura da população. Dentre elas, a preservação das nascentes, o reuso da água e coleta e armazenamento da água da chuva.

Todos os 20 centros integrados de gerenciamento de riscos e desastres regionais (CIGERDS) estão acionados para auxiliar os municípios nas ações de enfrentamento da estiagem.

Foto: Divulgação / Defesa Civil

Total
0
Shares