Indústrias de Canoinhas e Três Barras serão beneficiadas com nova rede da SCGás

A região receberá investimentos acima de R$ 12 milhões e atenderá principalmente indústrias do segmento de papel e celulose.

O presidente da SCGás, Willian Lehmkuhl, afirmou que a companhia começou a executar o seu mais audacioso plano de investimentos: R$ 457 milhões até 2025, com ênfase na interiorização da oferta de gás natural, mais atendimento a empresas comerciais, residências e postos de gás natural veicular (GNV), sem esquecer as indústrias.

As informações constam de entrevista publicada nesta segunda-feira (14), pela TN Petróleo, revista especializada em tecnologia e negócios dos setores de petróleo e gás do Brasil.

Segundo Lehmkuhl, o plano prevê R$ 457 milhões para projetos em todos os segmentos, desde ramais estruturantes como o da Serra catarinense, que deve ser concluído até 2024, passando por 16 municípios, até a ampliação da frota de GNV (Gás Natural Veicular) e saturação da oferta aos segmentos residencial e comercial, em cidades como Balneário Camboriú e Itapema.

Nova Rede Isolada no Planalto Norte

O novo Plano Plurianual de Negócios da empresa contempla também a implantação de uma rede isolada no Planalto Norte, para atender, principalmente, indústrias do segmento de papel e celulose de Canoinhas e Três Barras. A região receberá investimentos acima de R$ 12 milhões a partir de 2021, com previsão de término da obra em 2023.

O projeto, inovador no Brasil, é semelhante ao implantado em Lages no ano passado. A rede isolada consiste em levar GNC (Gás Natural Comprimido) por logística terrestre, para antecipar a oferta do insumo ao mercado por meio de redes locais, até a chegada da rede principal.

Confira trecho da entrevista com o presidente da SCGás com relação aos investimentos no Planalto Norte de Santa Catarina:

Como será o projeto do Planalto Norte?

A região do Planalto Norte foi inserida no plano de negócios para atender um polo de indústria de papel bastante importante na região de Três Barras e Canoinhas, disse Lehmkuhl.

“Teremos uma rede isolada com suprimento, inicialmente, via caminhões, e na sequência a gente faz, então, uma rede, estruturante, uma rede principal, conectando as duas pontas, exatamente o mesmo modelo de Lages, que já conta com rede isolada”.

“A diferença é que com a rede local você tem a condição de antecipar em muitos anos a formação desse mercado e fazer esse atendimento”. 

Decidimos investir no Planalto Norte porque lá acontece um dos maiores investimentos privados de SC, a ampliação da WestRock, em projeto de US$ 345 milhões (R$ 1,77 bilhão). Temos também a Mili e a Canoinhas Papéis. É uma região importante, fronteira a com o Paraná, tem uma dinâmica e uma história relevante aqui para o nosso Estado.

Nós já atendemos o Planalto Norte, pelo menos até as cidades de Campo Alegre, São Bento do Sul e Rio Negrinho. É uma rede que começa em Jaraguá do Sul, sobre a serra de Corupá, e chega por São Bento do Sul e se ramifica um lado a Campo Alegre e outro a Rio Negrinho.

Quais são os prazos para esse atendimento às empresas de celulose e papel?

O nosso plano de negócios de cinco anos estabelece que o Planalto Norte, a gente lance a licitação ainda este ano, estamos na eminência de encaminhar o projeto para a aprovação da agência reguladora.

Quando ela der ‘Ok’, a licitação está pronta para ser lançada. Concluída a licitação este ano ainda, a gente deve mobilizar a empreiteira vencedora ainda no final deste ano. Nossa melhor expectativa é começar as obras no finalzinho de 2021, e concluir até o final do ano que vem, para iniciarmos o ano de 2023 com ela operando.

Fonte: SCGás e TN Petróleo

Total
41
Shares