bom_apetite_canoinhas

iptu_2024_canoinhas


Governador defende Bolsonaro e diz que ação da PF ‘é pra quem não tem que o fazer’

Avatar photo
Jorginho Mello diz que “estão procurando pelo em ovo” e que “Bolsonaro é um homem decente”.

O governador Jorginho Mello esteve em Joinville na quinta-feira (8), e participou, na Expoville, da posse da nova diretoria da Associação de Joinville e Região de Pequenas, Micro e Médias Empresas (Ajorpeme).

Na ocasião, ele falou com a imprensa e comentou sobre a operação da Polícia Federal, onde Bolsonaro, o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, e militares, são alvos de investigação.

Para o governador de Santa Catarina, que também é presidente estadual do PL, a operação ‘não terá impacto nenhum no partido’.

“Isso é pra quem não tem que o fazer. A Polícia Federal tem coisa mais importante pra fazer do que ficar ‘requentando’ […] Tem tanto ladrão que voltou pra política, e o Bolsonaro é um homem decente”.

Jorginho Mello

Jorginho Mello disse que ‘estão procurando pelo em ovo‘ e o país precisa de tanta coisa ‘que nós não podemos estar perdendo tempo com isso‘.

NDTV

Em entrevista ao SBT esta semana, Mello falou sobre a proximidade que tem com o ex-presidente: “Sou PL, e amigo pessoal de Bolsonaro”. Questionado se acha que podem prender Bolsonaro, ele respondeu: “Se prender ele vira mártir”.

Prisões

Na noite desta sexta-feira (9), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu por manter a prisão de Valdemar Costa Neto, presidente do PL, e de outras três pessoas, Filipe Martins e Marcelo Câmara, ex-assessores de Jair Bolsonaro, e o major do Exército, Rafael Martins de Oliveira,  detidos durante a Operação Tempus Veritatis, da Polícia Federal, deflagrada na quinta-feira, 8.

A audiência de custódia ocorreu na Superintendência Regional da Polícia Federal e tinha como objetivo averiguar se a prisão ocorreu de forma legal. Costa Neto foi preso em flagrante em sua residência, em Brasília, por posse ilegal de arma de fogo e por usurpação mineral.

Contudo, sua prisão em flagrante foi convertida em prisão preventiva e, no caso dele, o STF concedeu o prazo de 24 horas para a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestar sobre o pedido de liberdade provisória que foi apresentado pela defesa e deferiu o pedido de vista dos autos.

Costa Neto foi alvo de um mandado de busca e apreensão em uma investigação que apura a organização criminosa que teria atuado em uma tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito.

O ex-chefe da Secretaria de Comunicação e advogado de Bolsonaro, Fabio Wajngarten, repudiou a decisão do STF por meio do X (antigo Twitter): “A não soltura do Presidente Valdemar nesse momento só escancara ainda mais o momento que o Brasil vive. Minha solidariedade à ele, bem como à sua esposa e familiares. Vergonhoso”.