Bolsonaro ironiza relatório da PF: “Aguardemos muitas outras correções”

Avatar photo
Bolsonaro ironizou a correção feita pela Polícia Federal no valor que teria sido desviado das joias. De R$ 25 milhões a PF corrigiu para R$ 6,8 milhões.

LEIA TAMBÉM

 — PUBLICIDADE —
Whatsapp Emecar Canoinhas

Através de suas redes sociais, o ex-presidente Jair Bolsonaro ironizou nesta segunda-feira (8) o relatório no qual a Polícia Federal (PF) o indiciou no esquema de venda ilegal das joias recebidas de autoridades estrangeiras durante seu governo. Enquanto estava nos EUA, Bolsonaro não movimentou suas contas, o que fez a Polícia Federal a concluir que ele usou o dinheiro obtido com a venda das joias.

Bolsonaro tentou descredibilizar a acusação e ironizou a correção feita pela PF no valor que teria sido desviado.

No relatório enviado ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do caso, a PF disse inicialmente que o valor estimado dos desvios seria de R$ 25 milhões. Em seguida, o delegado responsável pelo caso retificou a informação e disse que o montante pode chegar a R$ 6,8 milhões em valores de hoje. Não significa que todo esse dinheiro tenha ido para o ex-presidente.

“Aguardemos muitas outras correções. A última será aquela dizendo que todas as joias desviadas estão na CEF (Caixa Econômica Federal), acervo ou Polícia Federal, inclusive as armas de fogo”, escreveu.

“Aguarda-se a PF se posicionar no caso Adélio: ‘quem foi o mandante?’ Uma dica: o delegado encarregado do inquérito é o atual diretor de inteligência”, concluiu.

Segundo a PF, parte das joias sauditas recebidas pelo governo do ex-presidente Jair Bolsonaro saíram do país em uma mala transportada no avião presidencial no dia 30 de dezembro de 2022, quando Bolsonaro deixou o país para passar uma temporada nos Estados Unidos no fim de seu mandato.

De acordo com os investigadores, o ex-presidente não realizou movimentações em suas contas.

O fato levou a PF a concluir que Bolsonaro usou o dinheiro obtido com a venda das joias para se manter nos Estados Unidos.