Delegado que matou esposa e enteada em Curitiba é condenado no Júri a 38 anos de prisão

Avatar photo
As investigações apontaram que o delegado disparou pelo menos sete vezes contra a esposa e seis contra a enteada. As duas caíram abraçadas no chão.

LEIA TAMBÉM

 — PUBLICIDADE —
Whatsapp Emecar Canoinhas

O Tribunal do Júri de Curitiba condenou a 38 anos e 10 meses de prisão um delegado denunciado pelo assassinato da esposa e da enteada, cometido no dia 4 de março de 2020 na residência do casal no bairro Atuba, na capital.

O crime ocorreu porque o acusado, Erick Busetti, não aceitava o fim do relacionamento. A vítima, Maritza Guimarães de Souza de 41 anos, também era policial civil. Ela e a filha, Ana Carolina de Souza, de 16 anos, foram mortas a tiros.

As investigações apontaram que o delegado disparou pelo menos sete vezes contra a esposa e seis contra a enteada. Os homicídios aconteceram na presença da outra filha do casal, de apenas 9 anos de idade.

O casal estava junto há cerca 10 anos e estava em processo de separação pelo menos um ano antes do crime, conforme o relato de testemunhas e familiares.

Dias antes de ser denunciado pelo Ministério Público, Busetti foi indiciado pela Polícia Civil por duplo feminicídio com incidência de aumento de pena por ter cometido o crime próximo da filha de nove anos.

Delegado Erik Busetti foi condendo por matar a esposa e a enteada a tiros, em Curitiba — Foto: Arquivo/RPC

O Conselho de Sentença acolheu a tese de homicídio qualificado da mulher e da enteada por feminicídio e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima.

Preso em flagrante desde a época do crime, o ex-delegado confessou o duplo homicídio, que inclusive foi filmado por câmeras existentes no interior da residência da família. O vídeo mostra que Erik dispara contra as duas, que caem abraçadas no chão.

A sentença foi lida na madrugada da última sexta-feira (5) no Tribunal do Júri em Curitiba, após quatro dias de julgamento. O advogado de Erick, Claudio Dalledone, informou que irá recorrer da decisão.

Com informações do Ministério Público do Paraná.