STF nega reclamação de sobrinho de Renato Pike

Adoniran Gurtinski é suspeito de ser um dos principais operadores financeiros do tio, segundo o MPSC

Em decisão publicada nesta segunda-feira (30), a Exma. ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento de Reclamação, com requerimento de medida liminar, ajuizada por Adoniran José Gurtinski Borba Fernandes — sobrinho do vice-prefeito de Canoinhas, Renato Pike — ajuizada no último dia 25 de maio.

A defesa de Adoniran, representada pelo advogado Cláudio Gastão da Rosa Filho, requereu que fosse revogada a prisão preventiva do reclamante, ou substituída por medida cautelar, como também os autos fossem encaminhados ao juízo de primeiro grau competente (Justiça Eleitoral). Caso a Reclamação não fosse aceita, requereu então que fosse concedido habeas corpus ao cliente. 

Singularmente, foram as mesmas teses e argumentos que as defesas de Beto Passos e Renato Pike usaram, sendo contudo sumariamente derrubadas pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina no dia 24 de maio último.Desta feita, a Exma. ministra Cármem Lúcia também negou

EMPRESA FANTASMA

De acordo com o MPSC, Adoniran, em aproximadamente 5 anos, movimentou a expressiva quantia de aproximadamente R$ 28.000.000,00 (vinte e oito milhões de reais) na conta bancária da empresa Planalto Veículos, registrada em seu nome, mas que segundo o Ministério Público, pertencia de fato a seu tio, Renato Jardel Gurtinski (Pike).

No mesmo período, em suas contas bancárias de pessoa física, Adoniram movimentou cerca de R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais), apontou o órgão.

A empresa registrada em nome de Adoniran existe de fato, porém, conforme demontrado por meio das movimentações financeiras, ela pertence ao vice-prefeito. Por outro lado, a empresa registrada em nome de Sidnei José Teles, trata-se de uma empresa fantasma, destinada unicamente para branquear dinheiro sujo, diz o MPSC.

Durante as investigações, verificou-se que ambas as empresas possuem o mesmo nome fantasia (Planalto Veículos) e o mesmo número telefônico no comprovante de inscrição cadastral.

Contudo, ao buscar pelo endereço constante do cadastro da pessoa jurídica em nome de Sidnei José Teles, na Avenida Expedicionários, bairro Campo d’Água Verde em Canoinhas, verificou-se que no local não há revenda de automóveis ou empresa do gênero.

As investigações apontam Pike é o verdadeiro proprietário de ambas as empresas “as quais são claramente utilizadas para lavar dinheiro obtido por meio dos esquemas criminosos narrados anteriormente e outros tantos ainda não desvendados em sua plenitude. Isso porque, somente nas contas de seus asseclas, em torno de cinco anos, foram movimentados mais de R$ 50 milhões de reais, montante improvável de ser angariado somente com a suposta venda de veículos na comunidade local”, afirmou o Ministério Público.


Leia também