iptu_2024_canoinhas

bom_apetite_canoinhas


Colheita da pitaia em Santa Catarina: abertura oficial será nesta sexta-feira,9

Avatar photo
O Estado tem cerca de 240 famílias envolvidas com o cultivo de fruta.

Nesta sexta-feira (9), um dia de campo na propriedade do casal de agricultores Manoel e Ivonete Nagildo, em Turvo, abre oficialmente a colheita da pitaia em Santa Catarina. São esperadas cerca de 80 pessoas, entre produtores, consumidores e técnicos de todo o Estado.

Segundo o extensionista rural Diego Adílio da Silva, líder do projeto Fruticultura da Epagri no Sul Catarinense, além de trazer informações que auxiliam o fruticultor de SC, o evento tem como objetivo incentivar o consumo da pitaia no Estado.

Para isso, o dia de campo terá três estações onde técnicos vão falar sobre o distúrbios fisiológicos e controle de pragas no cultivo da pitaia, mercado e distribuição da fruta, e incentivo ao consumo.

O evento é uma realização da Epagri, prefeitura de Turvo, Coopervalesul e Instituto Federal Catarinense – campus Santa Rosa do Sul, com apoio da Olin Agro, Univesidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc) e Associação Brasileira de Produtores de Pitaia (Appibras).

Produção de pitaia em SC

Para a atual safra de pitaia, a Epagri/Cepa estima uma produção em torno de 5 mil toneladas, mil a mais que na anterior. A movimentação financeira está estimada em torno de R$12 milhões.

O Estado tem cerca de 240 famílias envolvidas com o cultivo de fruta. Elas estão concentradas no Sul do Estado, região responsável por 90% da produção catarinense. São João do Sul, Santa Rosa do Sul e Sombrio são os municípios que mais se destacam nessa cadeia produtiva.

A área de cultivo está em torno de 300 hectares, com lavouras de diferentes idades. “Quando todas as plantas estiverem adultas, a expectativa é de que tenhamos uma produção estadual entre 6 e 9 mil toneladas, com potencial valor bruto de produção de  R$15 milhões”, prevê o extensionista rural Diego.

Ele relata que as variedades mais plantadas são Vietnamese White e também a branca comum. Mas o Estado tem perspectiva de cultivar também outras variedades, como as que possuem polpa colorida (rosa e vermelha), e as que produzem mais de uma vez no ano, como a amarela colombiana e a Palora.