Homem matou idoso em Três Barras “para voltar à prisão”, diz polícia

O suspeito já ficou 19 anos dentro do sistema prisional, pelos crimes de homicídio e estupro.

O homem de 45 anos, suspeito de desferir golpes de martelo em um idoso e logo em seguida incendiar o colchão onde ele caiu, disse em depoimento que teria matado a vítima para poder voltar à prisão, segundo o delegado da Polícia Civil de Canoinhas, Darci Nadal, responsável pelo caso.

A vítima, identificada como Pedro Milcheski de 63 anos, foi encontrada morta na manhã quinta-feira (27) entre os escombros da casa incendiada, na Rua Canoinhas, no distrito do São Cristovão em Três Barras.

De acordo com a Polícia Militar, o suspeito teria ficado irritado por causa de orações que o idoso fazia em voz alta.

O delegado informou que o homem ficou 19 anos dentro do sistema prisional, pelos crimes de homicídio e estupro.

O homem saiu da prisão em janeiro desde ano, sem dinheiro ou lugar para morar. A vítima havia chamado o suspeito para morar na casa que foi incendiada, como inquilino. O delegado afirmou que eles não tinham nenhum parentesco entre si.

“Durante o interrogatório, ele decidiu apresentar a versão dele e relatou que passou muito tempo preso. Disse que não consegue mais se adequar ao convívio em sociedade, razão pela qual decidiu cometer outro crime para voltar à prisão”, relatou o delegado.

Após cometer o crime, o homem ligou para a polícia e aguardou a chegada da guanição em um posto de saúde, onde se entregou.

Ele foi preso em flagrante, confessou o crime e foi encaminhado à Unidade Prisional Avançada de Canoinhas. Nesta sexta (28), a Vara Criminal de Canoinhas aceitou pedido da Polícia Civil e converteu a prisão do suspeito para preventiva.

O homem deve ser indiciado por homicídio qualificado por motivo torpe. Ainda pode ser somada mais uma qualificadora por causa do incêndio na casa.

A polícia aguarda um laudo da perícia para entender se o homem colocou fogo na vítima ainda viva.

Continua após a publicidade

De acordo com o delegado Darci Nadal, todas as testemunhas já foram ouvidas e agora resta aguardar os resultados dos laudos cadavérico e do local do crime para finalizar o inquérito policial.

O CRIME

No dia do crime, o suspeito contou à Polícia Militar que ele e a vítima faziam parte da mesma igreja e por isso dividiam a residência. Contudo, na manhã de quinta-feira (27), ele “se enfureceu” com a pregação do idoso e acabou desferindo marteladas contra ele, após uma discussão. Isso porque o idoso estaria rezando muito alto.

A vítima ficou caída em sua cama, segundo os policiais, e foi neste momento que o suspeito colocou fogo no colchão. A residência era de madeira e as chamas se alastraram. O Corpo de Bombeiros precisou ser chamado e encontrou o corpo da vítima carbonizado entre os escombros.

Total
0
Shares